INSTALAÇÕES PARA O TRATAMENTO DAS BORRAS DE DESTILAÇÃO PROVENIENTES DE MÁQUINAS DE LAVAR INDUSTRIAIS COM SOLVENTE
OS RÉFLUOS DAS MÁQUINAS DE LAVAR METAIS
As máquinas automáticas de desengorduramento com solventes clorados prevêem no ciclo operativo a reciclagem dos solventes utilizados, por intermédio de destilador a pressão atmosférica operante em contínuo. Nos resíduos de destilação, constituídos por óleo, gorduras, metais etc. os solventes ainda são presentes numa média de 20 a 50%. Esta elevada percentual deriva da termolabilidade dos solventes clorados em geral, que não consentem de sustentar uma forte destilação, sob pena de acidificação dos mesmos. Ao desperdício em solvente resultante da eliminação, se adiciona a dificuldade objectiva na entrega de um refugo de tal natureza, dada a elevada percentual do próprio solvente. Obtém-se um sensível melhoramento destilando sob vácuo, o que consente de descer a concentrações variáveis entre 5 e 8%. A solução radical do problema é obtida unindo ao vácuo a destilação azeótropica.
A DESTILAÇÃO AZEÓTROPICA SOB VÁCUO
Nos grandes complexos petroquímicos a destilação azeótropica sob vácuo é geralmente usada, desde há vários anos, e é ainda hoje o processo mais actual no tratamento de solventes termolábeis não miscíveis em água, inquinados por contaminadores líquidos. O mérito da FORMECO é de ter transferido para uma aparelhagem de dimensões e preços reduzidos, a potencialidade deste processo sofisticado. Em síntese, o tratamento consiste numa destilação "leve" sob vácuo de aproximadamente 70-80% do solvente inquinado. Os resíduos concentrados presentes na caldeira serão em seguida atravessados por um fluxo de vapor de água que providenciará a efectuar a extracção total do solvente ainda presente. Tudo isto, a temperaturas operativas inferiores à mais de 20% da temperatura critica de acidificação do solvente em tratamento.

RESULTADOS
  • Rendimento em Solvente destilado: > 99,7%
  • Solvente presente nos resíduos: 0,1 - 0,3 %
  • Resíduos elimináveis sem despesas ou reutilizáveis nos ciclos de processo de proveniência (Exemplo: Óleo para corte)
AS INSTALAÇÕES
  • Caldeira de aço inox Aisi 304 solidária com um interstício que contém óleo diatérmico e aquecido por uma resistência eléctrica blindada.
  • Condensador de vapores com tubo com aletas de aço inox Aisi 304. - Depósito de recolha do destilado com separador estático de água incorporado.
  • Gerador de vapor de água com aquecimento eléctrico e alimentação automática.
  • Gerador pneumático de vácuo.
  • Circuito de recirculação da água do processo.
OPCIONAL 
  • Carga automática do solvente inquinado.
  • Descarga automática do solvente destilado.
  • Descarga automática resíduos do processo.
  • Lógica do processo com microprocessador.
  • Filtro com cartucho na linha de carga.
Voltar á Destiladores para Solventes